A Frase

" O resultado fica para a história, o jogo bonito passa "

FELIPÃO
, Técnico da Seleção Brasileira, em entrevista coletiva, antes da grande final da Copa das Confederações, diante da Espanha, no Maracanã

terça-feira, 9 de junho de 2009

Nelson Rodrigues e a invasão corintiana!

Nota do Blog: em meio ao descalabro ocorrido em terras espanholas, na partida entre Real Madrid e Corinthians, pelo Mundial Sub-18, o blog, além de deixar em evidência o total repúdio e asco pelo acontecido, convida o leitor à reflexão sobre uma invasão que, além de emocionar, nos prova o quanto o futebol pode ser salutar, propiciando a união de uma Nação de torcedores, com o coração numa única e sonora voz!

E, para um acontecimento dessa magnitude, nada melhor que ler as linhas traçadas por Nelson Rodrigues e ouvir com atenção, no RECORDAR É VIVER, a narração de Osmar Santos, dois gênios da Raça, que ilustram e glorificam a história do nosso País e do futebol brasileiro!


Por NELSON RODRIGUES

1—Uma coisa é certa: — não se improvisa uma vitória. Vocês entendem? Uma vitória tem que ser o lento trabalho das gerações. Até que, lá um dia, acontece a grande vitória. Ainda digo mais: — já estava escrito há seis mil anos, que em um certo domingo, de 1976, teríamos um empate. Sim, quarenta dias antes do Paraíso estava decidida a batalha entre o Fluminense e o Corinthians.

2—Ninguém sabia, ninguém desconfiava. O jogo começou na véspera, quando a Fiel explodiu na cidade. Durante toda a madrugada, os fanáticos do timão faziam uma festa no Leme, em Copacabana, Leblon, Ipanema. E as bandeiras do Corinthians ventavam em procela. Ali, chegavam os corinthianos, aos borbotões. Ônibus, aviação, carros particulares, táxis, a pé, a bicicleta.

3—A coisa era terrível. Nunca uma torcida invadiu outro estado, com tamanha euforia. Um turista que, por aqui passasse, havia de anotar no seu caderninho: — "O Rio é uma cidade ocupada". Os corinthianos passavam a toda hora e em toda parte.

4—Dizem os idiotas da objetividade que torcida não ganha jogo. Pois ganha. Na véspera da partida, a Fiel estava fazendo força em favor do seu time. Durmo tarde e tive ocasião de testemunhar a vigília da Fiel. Um amigo me perguntou: — "E se o Corinthians perder?” O Fluminense era mais time. Portanto, estavam certos, e maravilhosamente certos os corinthianos, quando faziam um prévio carnaval. Esse carnaval não parou. De manhã, acordei num clima paulista. Nas ruas, as pessoas não entendiam e até se assustavam. Expliquei tudo a uma senhora, gorda e patusca. Expliquei-lhe que o Tricolor era no final do Brasileiro, o único carioca.

5—Não cabe aqui falar em técnico. O que influi e decidiu o jogo foi a torcida. A torcida empurrou o time para o empate.

6—A torcida não parou de incitar. Vocês percebem? Houve um momento em que me senti estrangeiro na doce terra carioca. Os corinthianos estavam tão certos de que ganhariam que apelaram para o já ganhou. Veio de São Paulo, a pé, um corinthiano. Eu imaginava que a antecipação do carnaval ia potencializar o Corinthians. O Fluminense jogou mal? Não, não jogou mal. Teve sorte? Para o gol, nem o Fluminense, nem o Corinthians. Onde o Corinthians teve sorte foi na cobrança dos pênaltis. A partir dos pênaltis, a competição passa a ser um cara e coroa. O Fluminense perdeu três, não, dois pênaltis, e o Corinthians não perdeu nenhum. Eis regulamento de rara estupidez. Tem que se descobrir uma outra solução. A mais simples, e mais certa, é fazer um novo jogo. Imaginem que beleza se os dois partissem para outro jogo.

7—Futebol é futebol e não tem nada de futebol quando a vitória se vai decidir no puro azar. Ouvi ontem uma pergunta: "O que vai fazer agora o Fluminense?" Realmente, meu time não pode parar. O nosso próximo objetivo é o tricampeonato carioca. Vejam vocês:

— empatamos uma partida e realmente um empate não derruba o Fluminense. Francisco Horta já está tratando do tricampeonato. Estivemos juntos um momento. Perguntei: — "E agora?" Disse — amanhã vou tomar as primeiras providências para o tricampeonato. Como eu, ele não estava deprimido. O bom guerreiro conhece tudo, menos a capitulação. Aprende-se com uma vitória, um empate, uma derrota. Só a ociosidade não ensina coisa nenhuma.

No seguinte jogo, vocês verão o Fluminense em seu máximo esplendor.


*NELSON RODRIGUES era tricolor e publicou este texto no GLOBO em 6/12/76, no dia seguinte ao jogo Fluminense x Corinthians.

8 comentários:

  1. legal o texto, já tinha visto do Nelson sobre isso...genial!

    ResponderExcluir
  2. Otimas palavras desse grande escritor brasileiro. Gostei principalmente dessa frase: "Aprende-se com uma vitória, um empate, uma derrota. Só a ociosidade não ensina coisa nenhuma." abraço.
    Saudações do Gremista Fanático

    ResponderExcluir
  3. Nossa que texto, nunca tinha lido.

    Esse é um exemplo de como a torcida tem que se comportar em campo, sempre apoiando a torcida.

    Grande Nelso Rodrigues.

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Fala PP texto de uma pessoa que soube mostrar como se torce.

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Carlos... O Nelson Rodrigues foi Doutor em comunicação! Um cara que nasceu pra ensinar muitas e muitas gerações! Abs, PP

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário sobre os textos do Blog do Persio Presotto