A Frase

" O resultado fica para a história, o jogo bonito passa "

FELIPÃO
, Técnico da Seleção Brasileira, em entrevista coletiva, antes da grande final da Copa das Confederações, diante da Espanha, no Maracanã

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Discutindo educação



ANA CAROLINA SAKURÁ

O professor como agente social é uma prática real?
A função social do professor parece degradada na atualidade. Considerando que se um lado existe a falta de motivação dos docentes também existe a falta de vontade dos alunos e esse fato resulta numa deteriorização da educação e também do letramento como cidadania.

Culpar somente um projeto político pedagógico não é justificável. É necessário observar que desde a base educacional, nos primeiros anos de ambiência escolar, não há por parte dos profissionais educadores a motivação pra que o aluno siga a carreira no ensino.

Os adolescentes crescem com a visão que lecionar é uma carreira frustrante, pois não há o retorno financeiro merecido e nem mesmo o apoio por parte das autoridades políticas.

Dessa maneira a imagem do professor é desvalorizada.

Contudo, existem aqueles que militam pela educação, que consideram necessário o apoio à formação desde a base. Essa característica na maior parte das vezes é vista nos professores do Ensino fundamental. Porém, como em toda batalha, há muitos percalços, os profissionais esbarram em aspectos desmotivadores.

Pode-se usar o termo “esbarram” porque apesar desses encalços existe a possibilidade de traçar uma rota paralela para alcançar o objetivo para e pela educação.

A fim de se problematizar esses aspectos é possível levantar causas da falta de motivação:
Estágio (período da graduação): O estagiário muitas vezes não é bem vindo na escola ou não se adapta a estrutura escolar. A quebra da imagem idealizada do que seria uma vida de professor (críticas/lamentações) tornam-se um fator desmotivador.

Formação X realidade: A teoria muitas vezes não sustenta a necessidade dos alunos. O professor precisa abrir mão de técnicas inovadoras e se adequar aos padrões estabelecidos pelo livro didático e a política pedagógica da escola.

Diversidades educacionais não são apresentadas na graduação: o professor chega a escola sem base para lidar com alunos de educação inclusiva, educação assistida, entre outras e se sente impotente.

Em Pedagogia da Autonomia (Paulo Freire. São Paulo: Paz e Terra, 2003) o autor considera que o educador já não se restringe apenas a função de educar, mas de educar-se no momento em que há a troca com o aluno. Este diálogo os tornam sujeitos do processo de crescimento mútuo em que ações de imposições de autoridade já não são válidas.

A questão de uma educação que liberta deveria ser trabalhada com mais afinco na formação do professor, pois não há uma formação de resultado sem o sentimento de igualdade, pois todos somos seres humanos em construção contínua.


**Foto: Assis e Lucinda (meus irmãos) e professores de História e Potuguês-1978

**Fonte: Paulo Freire.Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2003.
___________________________________________________
O Blog do Persio Presotto está concorrendo ao "Prêmio Top Blog 2010", na categoria esportes. Para votar, basta clicar no selo que você vê à direita da tela. Gratos pela preferência! Att. Persio Presotto e Ana Carolina Sakurá

Um comentário:

  1. Infelizmente, há muito para se percorrer para que possamos resgastar o respeito ao professores, seja na melhoria na formação dos próprios, nos salarios, e bem como a educação devida a se tratar com eles...

    Fique com Deus, menina Carol Sakurá.
    Um abraço.

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário sobre os textos do Blog do Persio Presotto