A Frase

" O resultado fica para a história, o jogo bonito passa "

FELIPÃO
, Técnico da Seleção Brasileira, em entrevista coletiva, antes da grande final da Copa das Confederações, diante da Espanha, no Maracanã

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Massacre nas urnas


A quarta-feira foi de eleições no São Paulo, de Juvenal Juvêncio, que mexeu no estatuto do clube e segue como o todo poderoso no Morumbi.

Desde 2006 no poder, Juvenal investiu na formação de equipes vitoriosas, lideradas por Rogério Ceni, mas também fez bobagens - como no demitir Muricy Ramalho - e se meteu em algumas (várias) polêmicas, devido à personalidade forte que possui.

Não gosto muito dessa coisa de continuísmo!

Dá a impressão que apenas ele pode resolver a coisa, é o único capaz e merecedor de ocupar a cadeira mais importante da instituição.

Mas há os que amam essa ideia de se eternizar à frente de um clube, e usam argumentos ultrapassados, como: em time que está ganhando, não se mexe!

Fazer o quê?

Dos 177 Conselheiros que compareceram ao pleito, 163 votaram pela reeleição de Juvenal Juvêncio, 7 em Edson Lapolla e outros 7 tiveram o voto invalidado.

O ex-judoca Aurélio Miguel, que fez campanha pela oposição, questionou sobre a quebra da democracia e se o São Paulo queria um Eurico Miranda.

O continuísmo, de fato, é antidemocrático.

Mas, falar em Eurico Miranda... Será???

Tomara que não!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário sobre os textos do Blog do Persio Presotto