A Frase

" O resultado fica para a história, o jogo bonito passa "

FELIPÃO
, Técnico da Seleção Brasileira, em entrevista coletiva, antes da grande final da Copa das Confederações, diante da Espanha, no Maracanã

domingo, 18 de dezembro de 2011

Uma aula de futebol


PERSIO PRESOTTO


Não é de hoje que o Barcelona é o melhor time de futebol do mundo. A final, deste domingo, promovida pela Fifa veio, apenas, coroar e anunciar a obviedade.

Podia ser quem fosse: o Real Madrid, o Manchester United, o Chelsea... qualquer um deles iria perder de 4 a 0, ou mais, ou menos, como aconteceu com o Santos, de Neymar e Ganso, que nem apareceram na foto, no jogo realizado em solo japonês.

A superioridade, a habilidade catalã é inquestionável. Não há chutão, lançamentos de 50, 60 metros. Há toque de bola, de pé em pé, e milimetrado. Há consciência tática, precisão e oportunismo.

O Barcelona de Messi e Iniesta, Xavi, Puyol resgatou o futebol arte, descartado pelo Brasil nos anos 80, quando perdemos duas Copas do Mundo (1982, na Espanha, e 1986, na França), com um elenco estelar, com Waldir Perez, Leandro, Toninho Cerezzo, Falcão, Sócrates, Casagrande e Zico, treinados pelo grande Telê Santana, castigado com a 'fama' de pé-frio.

Dos anos 90 em diante, foi dado o pontapé inicial para uma safra de brucutus, que dá bico pro alto, ao invés de toques rasteiros e certeiros para o colega de time. Um futebol sem graça, covarde, no qual a equipe busca o gol e, ao fazê-lo, recua, ao invés de marcar outros mais.

A finta, o drible, hoje é quase um bulling no futebol brasileiro. Quem o faz, acha lindo, tira sarro. O que o leva, fica ofendido, se sente humilhado e parte para agressão. Ainda bem que Garrincha jogou nos anos 60, pois, fosse hoje, arrebentavam ele em campo e o chamariam de vândalo, criador de caso, ou coisa do gênero.

Eu, sinceramente, quero ver é o Barcelona jogar, dar olé, marcar golaços. E mais que isso: que os clubes que pertencem a este mundo em forma de bola, aprendam com aqueles que são Mestres e têm tarimba para dar uma aula, e primorosa, aos amantes do bom futebol.

O Brasil, cinco vezes campeão do Mundo, não pode mais se nivelar por baixo e jogar como primata. Estamos em uma era moderna, evoluída, e o futebol brasileiro deve acompanhar, para não falir e virar história animada estampada em museu.

4 comentários:

  1. Oi Persio. Tenho que concordar com tudo o que você escreveu. O Barcelona deu show mas não é aquele show inventado, eles jogaram como se fosse a coisa mais natural do mundo, ter a bola nos pés. E acho que com todo brilhantismo entraram para jogar e não para saber quem era o melhor ou o pior. Deram uma aula do que é Jogar Futebol, coisa que aqui no Brasil está esquecido há muito tempo.
    O Barcelona mostrou no campo o porque é considerado o melhor do mundo.
    Adorei o jogo e espero que o Neymar tenha aprendido mais uma lição, não adianta fazer "bonito" aqui no Brasil, tem que provar que é bom quando enfrenta os melhores...

    ResponderExcluir
  2. Mais um ano que se vai e desse jeito o tempo vai moldando nossas vidas! Hoje eu vim pra registrar boas intenções, pra vibrar positivamente em direção a um ano ainda mais feliz pra todos nós!

    Que 2012 nos traga muita inspiração, muitos assuntos pra compartilhar, muito dinamismo... além de saúde, de amor, de dinheiro e fartura!

    Bom natal, feliz ano novo!
    Jr.

    ResponderExcluir
  3. Participe do Super Quiz, desafio 4:
    http://fcgols.blogspot.com/2011/12/super-quiz-desafio-4-bonus-epecial.html

    Como são dados os pontos:
    http://fcgols.blogspot.com/2011/12/super-quiz-primeiro-desafio-lancado.html

    O Super Quiz não distribui prêmios, é apenas para distração de nossos leitores.

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário sobre os textos do Blog do Persio Presotto