A Frase

" O resultado fica para a história, o jogo bonito passa "

FELIPÃO
, Técnico da Seleção Brasileira, em entrevista coletiva, antes da grande final da Copa das Confederações, diante da Espanha, no Maracanã

quinta-feira, 13 de maio de 2010

A PÁTRIA DE CHUTEIRAS...FICO DESCALÇA

Por PÉTALA ROSADINHA

Depois de tantas idas e vindas em busca do visual perfeito pro meu Inquietude, eis que me decido por esse predominantemente vermelho, fatal, caliente. Uia!!!!!!!!! Já me disseram um zilhão de vezes que não é bacana ficar mudando toda hora a carinha do bichinho, pois é meio que a nossa identidade aqui, etc. Genteeeee, euzinha sou assim, mega indecisa, dêem-me um desconto por favor.

Mas eis que para inaugurar essa nova fase Pétala Rosadinha rubra, escolhi o tema mais masculino e machista da esfera terrestre.

Bom, digamos que já foi bem mais Clube do Bolinha, hoje nós, menininhas sensíveis e rosinhas estamos invadindo devagarinho o mundo futebolístico, futeboleiro, enfim. Desculpem-me rapazes, mas a minha paixão por futebol vai mais além de berrar loucamente nos jogos da Copa do Mundo ou torcer pelo time do coração numa decisão. Sou torcedora tempo integral. Falando em time do coração, sou uma alagoana campeã carioca, com muitíssimo orgulho. “Ninguém cala esse louco amor”, não tem jeito!

Mas voltando a falar da “Pátria de Chuteiras”, está chegando a hora. Por um mês (caso o Brasil chegue à final), o país para em função desse evento de proporções emocionais inimagináveis. Ah, o Congresso deve fechar também, claro. Aqueles moços tão dedicados aos problemas nacionais hão de ter tempo e concentração suficientes pra torcer pela Seleção. Afinal, o povo estará anestesiado nesse período e pouco se dará para as mazelas (algumas pouquinhas) as quais temos que encarar todos os dias.

Confesso que sou uma exceção entre os milhões de brazucas que vestem a verde e amarela tão aclamada pelo Zagallo. Minha emoção por essa seleção, que hoje pra mim representa um time como outro qualquer, conseguiu vingar até a 94, ano to tetra. De lá pra cá podem me considerar o próprio Joaquim Silvério dos Reis contemporâneo, porque não movo nem a sobrancelha por amor a esse time dos nomes compostos.

Sim, pode ser saudosismo. Dizem que ser saudosista é coisa de quem quer se prender ao passado, etc. Mas, meudeusodocéu, eu choreiiiiiiiii muito em 1982, quando a melhor seleção que já vi jogar perdeu pra Itália. Mas aquele time mereceu meu choro, minha tristeza e orgulho. Alguém sempre tem que perder, né? E isso acontece com os melhores também. Sinto saudades do tempo em que a Seleção Brasileira, e qualquer outra, era formada pelos melhores jogadores no momento, fazendo de fato jus ao nome “seleção”. Hoje a batida é bem diferente. O Dunga (que bem poderia ser o Zangado) buscou soldados que estiveram do lado dele desde o início das eliminatórias. Soldados dedicados, subservientes, que vão lutar pela Pátria até o fim. Ah, eu nem gosto de guerra. Gosto de um bom jogo de futebol, de emoção, grandes jogadas, craques. Mas isso parece ser coisa fora de moda. Na atual seleção dos nomes compostos (Júlio Baptista, Luís Fabiano, Felipe Melo, Gilberto Silva, Daniel Alves, Michel Bastos, Thiago Silva, além dos nomes simples, porém não menos ilustres como Elano, Josué, Gomes, Doni, Kleberson (aquele que é reserva no time dele) importante mesmo é não cair na gandaia, não ser estrela. Ser indubitavelmente craque de bola é mero detalhe. O cara abre mão disso. Vide os meninos da Vila e o moço de talento privilegiado, Ronaldinho Gaúcho.

Telê, contenha-se, pare de se revirar no túmulo!

Fala-se ironicamente que o técnico, esse destemido gaúcho que está se lixando pra opinião popular, não curvou ao talento do Ronaldinho Gaúcho, ainda que não no melhor de sua forma, por jamais esquecer os dribles humilhantes que o então jogador do Internacional sofreu num grenal, antes de Ronaldinho ir jogar na Europa. Eu acho bem pertinente essa teoria. E é um alento, porque no futuro, há de ficar pra história futeboleira o talento de Ronaldinho Gaúcho e não a prepotência desse anão da Branca de Neve chato, mesmo sendo campeão do mundo.

Quanto às festividades copeiras, me abstenho delas. Vou acompanhar com alguém que gosta de futebol, torcendo que haja bons jogos. Mas o esquema fitinha-amarela-na-cabeça-cara-pintada-e-muito-berro-ao-grito-de-gol, estou fora! E não me acusem de falta de patriotismo! Garanto que serei bem mais patriota em outubro, votando da forma mais consciente possível pra ver se há um alento de bom senso na terra do pão e circo.

Ah, e o melhor do término da Copa, sem dúvida, será não correr o risco de ouvir o Pelé cantando tão cedo. Misericórdia, ninguém fala o quanto é patético ele querendo ser um astro da música???

E que ganhe o melhor futebol.

http://petalarrosadinha.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário sobre os textos do Blog do Persio Presotto